The Post A Guerra Secreta: a veracidade jornalística do diretor Steven Spielberg

A relevância do jornalismo investigativo e da liberdade de imprensa como um fator principal à serviço da verdade e da democracia.

Indicado nas categorias de Melhor filme e Melhor atriz no Oscar 2018, The Post – A Guerra Secreta é um forte candidato a levar a estatueta dourada, não só pela excelência na execução do longa dirigido por Steven Spielberg, mas também por ter uma forte trama desenvolvida que exalta a importância do contexto jornalístico.

O filme traz a história de dois editores do jornal local de Washington “The Post” interpretados por Tom Hanks (Ben Bradlee) e Maryl Streep (Kat Graham), no qual eles buscam o impulso financeiro necessário para elevar os padrões da empresa. Mas após o jornal The New York Times começar uma série de investigações sobre uma falsa representação do governo americano durante a Guerra do Vietnã, o presidente Richard Nixon decide por processar o jornal após a denúncia. Com a decisão do juiz a favor do governo, as informações chegam aos editores do The Post, que se vêem em um dilema de um furo de reportagem e a prestação de informações ao público e consequentemente sofrer os processos legais da ação.

Com cenas de diálogos intensivas e bem aprofundadas, além da veracidade das atuações de Maryl e Tom, o longa de Spielberg é bem sucedido em trazer a mensagem que realmente deseja, apesar dos momentos em que o filme se arrasta para se aprofundar na trama, principalmente nos diálogos, ele mostra com detalhes as pressões recorrentes do meio profissional.

Por parte dos protagonistas, os roteiros de Liz Hannah e Josh Singer atribuem perfeitamente pesos diferentes em cada trama, enquanto o Ben Bradlee demonstra certa perspicácia durante a exerção do cargo de editor-chefe algumas vezes passando da ética profissional, já a personagem Kat Graham, possui uma trama divergente como mulher, encarando o preconceito de gênero, inclusive uma ressalva presente na fotografia demonstra o gritante contraste na separação da condição  social entre homens e mulheres.

Vale ressaltar a atuação da atriz Maryl Streep, que mesmo entregando uma personagem extremamente leve e contida, consegue passar total auto-confiança, maturidade e veracidade à mais um de seus incríveis trabalhos, não podendo deixar de ser lembrada no Oscar com mais uma entre várias indicações na cerimônia.

O que é retratado no filme é um espelho do mundo real

O jornalismo creditado como o quarto poder, sendo o próprio poder tido como uma espécie de corrupção, omissão da verdade e da priorização do indivíduo de classe financeira superior, é importante ressaltar qual é o verdadeiro trabalho que a mídia pode e deve exercer na sociedade, além das pressões e das vulnerabilidades da profissão. Outra questão levantada aqui em relação aos limites da liberdade de imprensa, e que vale à pena ser passada: “O único jeito de defender a liberdade de publicação é publicando”

The Post – A Guerra Secreta estreou no dia 01 de fevereiro e está em exibição nos cinemas.

Etiquetas