Batman – Os melhores vilões dos filmes

world-news

Você já parou para pensar nos melhores vilões dos filmes do Batman? Este é um exercício muito interessante de se fazer, afinal, nenhuma franquia de filmes de quadrinhos tem o legado do Homem-Morcego. Em 1966, um longa-metragem chegou com Batman e Robin lutando contra os vilões de seu icônico programa de televisão, e mais de 20 anos depois, Tim Burton trouxe o primeiro filme sério do Batman para a tela grande. O resto é história.

Ao longo dos anos, Batman foi gótico, brilhante, colorido, sombrio e taciturno, e até lutou contra o Superman. À medida que cada filme passa, os vilões se transformam e mudam com base na personalidade do Batman e na estética do diretor que comanda o filme, e alguns desses vilões permanecem mais memoráveis ​​do que outros.

A seguir, confira quem são os melhores vilões dos filmes do Batman.

Nesta matéria, falaremos sobre os melhores vilões dos filmes do Batman, do “pior” para o melhor. São eles:

Quando Joel Schumacher assumiu o cargo de diretor da franquia Batman, as coisas mudaram. A pegada gótica dos filmes de Tim Burton se foi, e acabou sendo substituída pelos aspectos coloridos do desenho animado do mundo do Batman. No entanto, há uma razão pela qual apenas um dos vilões de seus dois filmes está nesta lista.

Jim Carrey foi exagerado e selvagem como Charada. Sua atuação foi um destaque de “Batman Eternamente” e fez dele, de longe, o melhor vilão da carreira de Schumacher na franquia.

Em “Batman: O Retorno”, um ator improvável assumiu o papel de um vilão menos conhecido dos quadrinhos e fez uma performance icônica. Enquanto a maioria das pessoas se lembra do Pinguim e da Mulher-Gato como os vilões de destaque do filme, o principal antagonista era na verdade Max Shreck, de Christopher Walken.

Shreck foi o milionário que tentou matar Selina Kyle no início do filme, fazendo com que ela se tornasse a Mulher-Gato. Ele também é a pessoa que manipulou Pinguim para assumir a vida do crime. Shreck manipulou todas as marionetes, e ele fez isso de uma maneira que só Walken poderia: gloriosamente.

“Batman e Robin” era um clássico cult da televisão dos anos 60 que mostrou Batman fazendo coisas estranhas, como dançar e jogar xadrez com seu jovem protegido Dick Grayson, ou Robin. A série de TV também contou com diversos atores assumindo os papéis dos vilões. Em 1966, foi lançado um filme baseado no programa, e o longa teve a participação de quatro dos principais vilões do Batman.

Coringa (Cesar Romero), Pinguim (Burgess Meredith) e Charada (Frank Gorshin) se juntaram a uma nova Mulher-Gato (Lee Meriwether) enquanto se uniam como o grupo conhecido como “United Underworld” para lutar contra Batman e Robin. O quarteto foi representado da melhor maneira possível.

Carmine Falcone foi um dos principais vilões de The Batman, embora tenha passado grande parte da trama por debaixo dos panos. Esta não foi a primeira aparição do chefe do crime de Gotham City, já que Tom Wilkinson o interpretou em “Batman Begins”, enquanto Eric Roberts assumiu o papel de Sal Maroni em O Cavaleiro das Trevas. John Turturro, entretanto, superou os dois atores com sua atuação em “The Batman”.

Ele fazia parte do passado de Bruce Wayne, pois conhecia Thomas Wayne e ajudou o pai de Bruce de maneiras que horrorizaram o herói. No entanto, o filme também deu a entender que Falcone poderia ter sido responsável pelas mortes de Thomas e Martha Wayne, adicionando ainda mais sangue às mãos do homem.

Christopher Nolan trouxe alguns grandes vilões para sua trilogia do “Cavaleiro das Trevas”, e Cillian Murphy é muito bom em sua interpretação do papel de Espantalho. Parece quase difícil acreditar que foi o Espantalho, de todas as pessoas, que amarrou todos os três filmes quando pensamos nos vilões.

Ele era assustador, complexo e perigoso, especialmente em “Batman Begins”. Porém, ele nunca foi o principal vilão, e é provavelmente por isso que ele continua sendo tão criminalmente subestimado.

Houve vários retratos do Coringa nos filmes, desde a versão de Cesar Romero até a interpretação vencedora do Oscar de Heath Ledger. Uma das mais recentes foi a de Joaquin Phoenix no filme “Coringa”, o único que não tinha nada a ver com Batman. No entanto, um dos mais interessantes está em “Lego Batman: O Filme”.

Esta animação foi a que chegou mais próximo da estética da era Adam West do que qualquer adaptação cinematográfica do Batman. A relação entre Batman e Coringa foi um destaque, com os dois provando o quanto precisavam um do outro e fazendo isso de uma maneira que permitisse que as crianças se divertissem.

Por mais que Bane não fosse o principal vilão em “O Cavaleiro das Trevas Ressurge”, já que acabou sendo um lacaio de Talia al Ghul, ele ainda pode ser considerado o melhor vilão do filme, e um monstro genuinamente aterrorizante. Ele tinha uma ótima história de fundo e um conto trágico, pois queria proteger Talia, mas se tornou um mercenário aterrorizante ao mesmo tempo.

Na época, Tom Hardy e Christopher Nolan foram criticados por causa dos modificadores de voz, tornando-os quase impossíveis de entender, mas isso nunca importou de verdade. Bane estava dominando, e quando ele protagonizou aquele momento de quebrar as costas de Batman… é, foi uma das melhores cenas do filme.

Colin Farrell teve muito o que aprender quando apareceu em “The Batman” como Pinguim, já que Danny DeVito havia se tornado perfeito no papel de Senhor do Crime. “Batman: O Retorno” teve três vilões principais, com Max Shreck sendo a ponta mais forte do triângulo.

No entanto, Pinguim também foi espetacular aqui. Sua história de fundo faz dele um vilão simpático, e DeVito, por sua vez, apresentou uma performance impressionante e assustadora como o vilão do Batman.

O principal vilão em “The Batman” era Charada, mas esta era uma versão do vilão que ninguém nunca tinha visto antes. A única coisa que Charada ofereceu que era semelhante aos quadrinhos ou filmes anteriores foi sua propensão a dar pistas na forma de enigmas.

Este homem era um assassino, mas achava que era o herói de sua própria história. Ele puniu os corruptos em Gotham City e acreditava que Batman era seu cúmplice. Paul Dano teve uma atuação eclética que atingiu seu auge quando acabou em Arkham, tornando o personagem uma adição memorável à franquia – e ainda há possibilidade dele retornar no futuro.

Liam Neeson interpretou um aliado de Bruce Wayne na primeira parte de “Batman Begins”, mas eventualmente, ele revela que não é Henri Ducard, e sim, na realidade, o malvado Ra’s al Ghul. É a partir deste momento que o longa se transforma em um verdadeiro filme de super-herói.

Neeson é excelente como o líder da Liga das Sombras, um mestre estrategista que pode mover peões em seu tabuleiro para obter os resultados que deseja. Ele foi tão essencial na história geral que sua filha chegou para quase derrubar o Batman no filme final da trilogia.

Embora não seja o principal vilão, o Pinguim foi um personagem de destaque em “The Batman”. No longa, um quase irreconhecível Colin Farrell foi transformado no vilão de longa data do Batman, em uma caracterização que foi tão distante da atuação de Danny DeVito em “Batman Returns” que é quase como se fossem dois vilões diferentes.

Como nos quadrinhos, aqui o Pinguim é dono de uma boate, mas com aspirações por coisas maiores. Com a morte de Carmine Falcone, Pinguim agora tem a chance de se tornar o novo chefe do crime em Gotham City, e uma próxima série da HBO Max provavelmente contará essa história.

Antes de Zoe Kravitz em “The Batman”, a Mulher-Gato contou com a interpretação de tantas atrizes quanto o próprio Batman. Entre o programa de TV original e o filme em 1966, três mulheres interpretaram a antagonista: Halle Berry, que viveu a personagem em um filme solo, Anne Hathaway, que apareceu em “O Cavaleiro das Trevas Ressurge”, e Michelle Pfeiffer, que esteve no elenco de “Batman: O Retorno”.

A maioria dos fãs concorda que Pfeiffer está no topo quando se trata da Mulher-Gato, trazendo tanto um sex appeal quanto uma simpatia para a personagem que Batman tenta salvar no final.

Por mais de uma década, os fãs de filmes do Batman tinham um rosto ao qual sempre voltavam quando olhavam para o maior inimigo do Cavaleiro das Trevas: Jack Nicholson. Ele criou o Coringa em um estilo novo e mortal, já que se inspirou na teatralidade de Cesar Romero e deu uma reviravolta mortal, mostrando que o Coringa poderia matar qualquer um – e ainda fazê-lo com um sorriso no rosto.

Heath Ledger, Joaquin Phoenix e Jared Leto trouxeram suas próprias versões posteriormente, mas muitos fãs ainda consideram Nicholson como o melhor Coringa da história do cinema.

No Batman de Tim Burton em 1989, Billy Dee Williams interpretou Harvey Dent, a estreia do personagem nos cinemas. E por mais que essa versão do personagem seja divertida, “O Cavaleiro das Trevas” apresentou um dos maiores vilões do Batman de todos os tempos e em toda a sua glória.

Aaron Eckhart interpretou Dent como um verdadeiro herói, mas como ele profetizou no filme, os heróis morrem como heróis, ou vivem o suficiente para se tornarem vilões. Quando Dent perdeu a mulher que amava e metade de seu rosto, ele se tornou um trágico herói caído – e este foi o coração e a alma do melhor filme do Batman já feito.

Enquanto o Duas-Caras era o vilão perfeito em “O Cavaleiro das Trevas”, já que era o herói caído que se viu como o vilão mais perigoso de Batman, o melhor vilão de todos os tempos também apareceu nesse filme. Nele, Heath Ledger assumiu o papel de Coringa e o transformou em algo único e brilhante.

Em “O Cavaleiro das Trevas”, foi-se o pateta de Jack Nicholson e entrou um sociopata sombrio e sarcástico que mata qualquer um por diversão, nunca levando a situação a sério. Ledger ainda ganhou um Oscar póstumo pelo papel – e merecidamente. Hoje em dia, este Coringa é a referência dos vilões de filmes de super-heróis.

Confira também: