Baseado Em Fatos Reais esconde o perturbador em uma complexa admiração

O filme faz o espectador caminhar por delírios e abusos em cenas que demonstram a linha tênue entre fanatismo e deslumbre.

O novo longa de Roman Polanski é a adaptação para os cinemas de um livro com o mesmo nome da escritora de romances Delphine de Vigan. Na trama, Delphine Dayrieux é uma romancista que após vivenciar um período conturbado e lançar mais um livro de grande sucesso, sofre com um bloqueio criativo na sua nova produção. Em um momento de autógrafos no lançamento do novo best-seller, Delphine conhece Elle, na qual constrói-se um relacionamento com essa admiradora que, a grosso modo, parece desejar viver a vida da escritora. Elle traz mudanças para a vida da romancista, mas juntamente com isso são atraídas algumas perturbações.

Elle é uma ‘ghost-writer’, isto é, escreve para que outros profissionais possam assinar os trabalhos. Numa profunda admiração pela autora de grandes best-sellers, ela se aproxima da mesma de forma bastante sutil, mas aos poucos vai dando pistas ao espectador de uma possível psicopata. Delphine se vê encurralada devido aos acontecimentos de sua vida, o que permite a entrada de Elle na sua história, sem saber no que poderia estar por vir.

É nisso que toda a pintura se molda. A vida de Delphine inverte-se e passa a ser vivida por Elle, que veste as suas roupas, dorme em sua casa, enquanto a romancista vivencia um momento complicado. Apesar dos avisos que recebe durante o caminho, não consegue perceber o perigo que a ronda. Afinal de contas, Elle está ali para transformar, aparentemente, a vida de Delphine em um grande deslumbre.

Polanski é bastante conhecido pelas sombras e o aprofundamento psicológico dos personagens nas temáticas abordadas em seus filmes. O drama misterioso presente em O Bebê de Rosemary (1968), que rendeu o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante para Ruth Gordon, é um grande exemplo disso. Na produção fílmica, Eva Green (300: O Início De Um Império, 2016) e Emmanuelle Seigner (Vénus De Vison, 2013) protagonizam esse grande jogo psicológico com quase duas horas de duração.

“[O filme] é sobre uma relação feminina obsessiva. Fiquei pensando nisso outro dia que é verdade se tratar de algo muito feminino ter uma pessoa dominante na relação. Uma espécie de amiga-vampiro, que suga seu sangue até você achar que é demais e dar tchau. É estranho”. — Eva Green.

O suspense, de fato, sempre esteve presente em diversas de suas obras, cujas narrativas sempre põem os personagens em situações conflituosas recheadas de intensa pressão. Ocorre que produções serem ‘baseadas em fatos reais’ demonstram uma estratégia de marketing para a venda de bilheteria devido ao fato de que essas interpelações despertam grande interesse do público, mesmo após os últimos acontecimentos que envolvem o nome do diretor em acusações de abusos sexuais denunciados por atrizes de Hollywood.

Perguntada sobre o profissionalismo do diretor em entrevista a um grande portal de notícias, a atriz Eva Green que incorpora a personagem Elle, define Polanski como um mito, “um ícone”, e não mediu esforços para aceitar o convite feito pelo diretor, apesar de ele ter sido exilado na França por o acusarem de pedofilia em um caso nos EUA. “É o diretor mais exigente com quem já trabalhei. É obcecado com detalhes. E ele não suaviza as palavras quando dá orientações“, disse ao se mostrar bastante entusiasmada sobre o trabalho.

O filme teve estreia na última quinta-feira (12) nos cinemas de todo o Brasil. Apesar de não haver muita novidade nas temáticas abordadas nos filmes de Polanski, há expectativas acerca do produto audiovisual. Seria Baseado Em Fatos Reais um filme sobre obsessão feminina ou trata-se da mais complexa relação humana?

Baseado Em Fatos Reais tem roteiro escrito por Olivier Assayas (Personal Shoopper, 2016) e direção de Roman Polanski. No elenco, nomes como Vincent Pérez (Alone In Berlin, 2016) e Camille Chamoux (As Moças, 2014) compõem o cenário fílmico que, curiosamente, parece referenciar grandes obras que perpassam pelos trabalhos de Robert Aldrich e Alfred Hithcock. A distribuição é da produtora Paris Filme.

Confira o trailer abaixo.

Etiquetas