7 musicais da Broadway que viraram filmes de Hollywood

Broadway é uma importante avenida de Nova York. Ela é conhecida mundialmente pelos teatros que nela se concentram. Gênero musical é o mais procurado por seus visitantes, e o sucesso de alguns foi tão grande que acabaram virando produções de Hollywood. A partir de agora, te convidamos para conhecer sete dos centenas de filmes musicais que tiveram suas origens na Broadway.

“Mamma Mia!” (2008), direção de Phyllida Lloyd

1999, na ilha grega de Kalokairi, Sophie (Amanda Seyfried) está prestes a se casar e, sem saber quem é seu pai, envia convites para Sam Carmichael (Pierce Brosnan), Harry Bright (Colin Firth) e Bill Anderson (Stellan Skarsgard). Eles vêm de diferentes partes do mundo, dispostos a reencontrar a mulher de suas vidas: Donna (Meryl Streep), mãe de Sophie. Ao chegarem no local, Donna é surpreendida tendo que inventar desculpas para não revelar quem é o pai de Sophie.

Curiosidade: A diretora Phyllida Lloyd dirigiu o musical no teatro e sua adaptação para as telonas.

“Hairspray – Em busca da fama” (2007), direção de Adam Shankman

1962. O sonho de todo adolescente é aparecer no “The Corny Collins Show”, o programa de dança mais famoso da TV. Tracy Turnblad (Nikki Blonsky) é uma jovem gorda apaixonada pela dança. Ao fazer um teste, ela impressiona os juízes e, desta forma, conquista um lugar no programa. Logo alcança o sucesso, ameaçando o reinado de Amber Von Tussle (Brittany Snow) na televisão. As duas passam também a disputar o amor de Link Larkin (Zac Efron) enquanto duelam pela coroa de Miss Auto Show. No entanto, os conceitos de Tracy mudam quando ela descobre o preconceito racial existente na TV, decidindo usar sua fama para promover a integração.

“The Rocky Horror Picture Show” (1980), direção de Jim Sharman

Influenciado pelo matrimônio de um grande amigo, Brad Majors (Barry Bostwick) decide pedir sua noiva, Janet Weiss (Susan Sarandon), em casamento. Antes da cerimônia eles partem em uma viagem de carro mas acabam se perdendo. Para piorar a situação, o carro quebra enquanto chove. Então, o casal se dirige até um castelo próximo em busca de ajuda e são recepcionados por Riff Raff (Richard O’Brien), o criado do dr. Frank N Furter (Tim Curry), dono do local. Brad e Janet estranham o visual e o comportamento de todos, sem imaginar que Frank N Furter dedica a vida à libido e o prazer. Seu novo plano é criar um homem musculoso, Rocky (Peter Hinwood), que possa atender aos seus anseios sexuais.

“O Fantasma da Ópera” (2005), direção de Joel Schumacher

La Carlotta (Minnie Driver) é a diva de uma conceituada companhia teatral, que é responsável pelas óperas realizadas em um imponente teatro. Temperamental, La Carlotta se irrita pela ausência de um solo na nova produção da companhia e decide abandonar os ensaios. Com a estréia marcada para o mesmo dia, os novos donos do teatro não têm outra alternativa senão aceitar a sugestão de Madame Giry (Miranda Richardson) e escalar em seu lugar a jovem Christine Daae (Emmy Rossum), que fazia parte do coral.

Christine faz sucesso em sua estréia, chamando a atenção do Visconde de Chagny (Patrick Wilson), o novo patrocinador da companhia. O Visconde e Christine se conheceram ainda crianças, mas ele apenas a reconhece na encenação da ópera. Porém o que nem ele nem ninguém da companhia, com exceção de Madame Giry, sabem é que Christine tem um tutor misterioso, que acompanha nas sombras tudo o que acontece no teatro: o Fantasma da Ópera (Gérard Butler).

“Jesus Cristo Superstar” (1973), direção de Norman Jewison

Sob a visão atormentada de Judas Iscariotes (Carl Anderson) conhecemos os sete últimos dias de Jesus (Ted Neely) na Terra, terminando com a sua crucificação, mas sem contar a ressureição. A narrativa é uma mistura de passado e presente, apresentando soldados romanos que usam metralhadora e perseguem um Cristo hippie.

“Hair” (1979), direção de Milos Forman

Claude (John Savage), um jovem do Oklahoma que foi recrutado para a guerra do Vietnã, é “adotado” em Nova York por um grupo de hippies comandados por Berger (Treat Williams), que como seus amigos tem conceitos nada convencionais sobre o comportamento social e tenta convencê-lo dos absurdos da atual sociedade. Lá Claude também se apaixona por Sheila (Beverly D’Angelo), uma jovem proveniente de uma rica família.

“Os Miseráveis” (2013), direção de Tom Hooper

A história se passa em plena Revolução Francesa do século XIX. Jean Valjean (Hugh Jackman) rouba um pão para alimentar a irmã mais nova e acaba sendo preso por isso. Solto tempos depois, ele tentará recomeçar sua vida e se redimir. Ao mesmo tempo em que tenta fugir da perseguição do inspetor Javert (Russell Crowe).

Etiquetas